Interface entre a urocultura, o EAS e o hemograma nas infecções do trato urinário

  • Alexandre Henrique Nunes de Moraes Faculdade da Polícia Militar - FPM
  • Lidyanne Camelo Feliciano Faculdade da Polícia Militar - FPM
  • Rebeca Jacob de Lima Faculdade da Polícia Militar - FPM
  • Rizia Jacob de Lima Faculdade da Polícia Militar - FPM
  • Alessandra Marques Cardoso Faculdade da Polícia Militar - FPM, Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUC Goiás, Secretaria de Estado da Saúde de Goiás – SES-GO
Palavras-chave: Infecções urinárias; Escherichia coli; Diagnóstico laboratorial; Nitrito.

Resumo

As infecções do trato urinário (ITU) são causadas pela colonização bacteriana de um sítio anatômico que deveria ser estéril. Tais infecções podem afetar tanto o trato urinário inferior causando cistite, como o trato urinário superior causando pielonefrite. Este estudo objetivou pesquisar alterações no EAS (elementos anormais e sedimentoscopia) e no leucograma de pacientes com urocultura positiva, e verificar o sexo, a faixa etária e os principais patógenos isolados nas uroculturas realizadas no Laboratório Clínico do Hospital do Policial Militar de Goiás (HPM). Foi realizado um estudo retrospectivo baseado em uma criteriosa análise de dados coletados no Laboratório do HPM, os quais foram extraídos dos resultados dos exames de urocultura, EAS e leucograma, no período compreendido entre janeiro/2020 e janeiro/2021. Os dados referentes ao sexo e idade dos indivíduos, bem como os patógenos envolvidos nas infecções também foram pesquisados. Como resultado do estudo, constatou-se que 14,3% dos pacientes apresentaram resultado positivo para o exame de urocultura, os quais 93,0% pertenciam ao sexo feminino e 7,0% ao sexo masculino. Com relação aos uropatógenos isolados, notou-se que Escherichia coli contabilizou 73,7% das culturas positivas. Houve uma grande sensibilidade no exame de EAS, mais especificamente no nitrito e na leucocitúria, os quais se alteraram concomitantemente com a urocultura em 75,7% dos casos. Por outro lado, houve uma percepção de que 11,2% dos pacientes apresentaram alteração no exame de leucograma. Em uma análise geral, 9,1% dos pacientes apresentaram alteração em ambos os exames analisados. Com isso, concluiu-se que a urocultura se manteve como padrão ouro de diagnóstico para ITU, o nitrito e a leucocitúria, analitos do EAS, podem ser considerados fortes indicativos de dados para o diagnóstico e o leucograma, um fraco indicativo para este fim.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
07-12-2021
Como Citar
Moraes, A. H. N. de, Feliciano, L. C., Lima, R. J. de, Lima, R. J. de, & Cardoso, A. M. (2021). Interface entre a urocultura, o EAS e o hemograma nas infecções do trato urinário. REVISTA BRASILEIRA MILITAR DE CIÊNCIAS, 7(19). https://doi.org/10.36414/rbmc.v7i19.117
Seção
Artigos